domingo, 17 de maio de 2009

Demônios

A noite estava calada, nem o vento que vinha do sul trazendo o frio assobiava como antigamente. Tudo quieto, calado e escuro.


Mas uivos e latidos de cachorros cortavam o silencio vez ou outra, fazendo sua cabeça rodar enquanto ele tragava aquela fumaça especa e amarga que saia da única coisa que lhe acalmava.


O cenário era lamentável, roupas, objetos e restos de dejetos espalhados por cada centímetro daquele quarto frio fazia com que sua mente o transportasse para tempos remotos de dor.


A musica do passado entrava em seus ouvidos, e fazia seu cérebro pulsar de forma frenética e surreal. A dor envolvia seu corpo, membros e espírito se contorciam de dor.


Ele já sabia, era chegada a hora de libertar aquele demônio que há tempos havia dormido em seu crepúsculo interno. Ele tremia enquanto suas mãos geladas repulsavam e puxavam seus cabelos contra seu pequeno rosto. Aquela maldita dor infame que a tempo ele não sentia rasgava seu peito e embolava sua garganta fazendo-o cogitar.


Ele olhava para os cantos daquele quarto vazio e já sem vida e só via as cenas de um passado insólito e falido do qual por muitas vezes ele chorou sem ter ninguém para ouvir ou acalentar.


As mordidas nos lábios e língua e os apertões entre os dentes já o fazia sentir o gosto de fel que seu sangue soltava. Era aquele maldito mostro se libertando.Seu corpo começa a se repulsar enquanto sua respiração fica cada vez mais visceral e sem ritmo, e já era possível ver as primeiras lagrimas correr entre seus frágeis olhos. Ele levanta dali, com uma tontura indescritível enquanto aquela maldita musica continuava tocar.


A musica transportava seu corpo e espírito para onde jamais ele queria voltar, ele não agüenta e seu corpo cai ao chão como uma arvore morta enquanto um choro descontrolado o fazia perder seus sentidos e sua consciência. Já era a hora, aquela maldita coisa que há tempos tinha o deixado viver se libertava. E ele ali jogado em meio a restos de coisas e trapos, tentava se levantar procurando mais um daquele maldito cigarro para fumar.


Vai até sua gaveta pega aquela faca que ele já não usava e sem sentir ou mesmo reclamar se flagela na busca incansável de tentar arrancar aquela dor que não era dele. O cigarro aceso jogado no chão queimava sozinho enquanto seu corpo se repulsava no chão gelado esperando somente o beijo doce da morte, o acalentar.


---------

Escute ao som de CMTN - Sinta vontade de ficar.

Um comentário:

André disse...

Sempre sábio meu amigo, o engraçado é que vc escreveu coisas sobre mim que nem eu mesmo conhecia! E coisas que ainda aconteceriam - FOI MAL POR TUDO! Adeus meu amigo!